Vinho, Café E Cultura

Henrique Vieira Filho e a Cia. Teatral Patoktak

Neste artigo para o Jornal O Serrano, Henrique Vieira Filho fala da importância econômica do Turismo Cultural e de Experiência, citando Londres, Paris, o passado histórico do Turismo de Saúde e Bem-Estar de Serra Negra e convida a prestigiar o Cabernet Literário, que une literatura, gastronomia e degustação de vinho.
Publicado resumido no Jornal O SERRANO, Nº 6379, de 03/11//2023
Cite:
Vieira Filho, H. (2023). Vinho, Café E Cultura. Jornal O serrano, CXV(6379). https://doi.org/10.5281/zenodo.10051166

Henrique Vieira Filho e a Cia. Teatral Patoktak

Henrique Vieira Filho e a Cia. Teatral Patoktak

Sempre entre as campeãs no ranking mundial, Paris e Londres movimentam só com o turismo cerca de US$90 bilhões ao ano!

E isso não se deve às suas belezas naturais e sim aos seus mais de 1100 teatros, 400 museus e 200 galerias de arte, ou seja, sabiamente investem no Turismo Cultural, que atrai clientes com elevado poder aquisitivo e sustentam uma infinidade de postos de trabalho.

Nos últimos anos, nossa região se acomodou no setor de compras, esquecendo seu glorioso passado no turismo de saúde e bem-estar (hidroterapia, spas), que ainda tem um enorme potencial econômico.

E mal arranhou a superfície de tudo o que ainda podemos desenvolver no campo da “experiência turística cultural”, que gera impressões memoráveis (e “instagramáveis”), estabelecendo um vínculo emocional muito mais profundo do que o simples prazer de ter comprado uma “lembrancinha”.

Minha esperança se renova quando me deparo com iniciativas como a do Cabernet Literário, que reunirá um seleto grupo para apreciar um delicioso conto (spoiler: uma alta executiva global é trazida de volta às suas raízes serranas pelo aroma do café). 

A própria escritora, Katia Parente, fará a apresentação, que inclui degustação de vinho e a gastronomia do recém inaugurado Serra Dos Sicalis e que terá como pano de fundo algumas de minhas pinturas ilustrando o tema.

Assista ao vídeo com o processo criativo da pintura “Goddess Libera”

Henrique Vieira Filho e a deusa do vinho “Goddess Libera” (óleo sobre tela)

Processo criativo da arte “Goddess Libera”:

Sessão de fotos – Processo criativo
Assista ao vídeo com o processo criativo

Eu mesmo tive a feliz oportunidade de realizar algo semelhante, em São Paulo: fiz um crônica e uma pintura inspiradas na gastronomia da chef vegana Damodara, que por sua vez, serviu pratos baseados nas minhas telas, tudo harmonizado pelo sommelier Luiz Mota, que serviu as taças enquanto o grupo teatral Patoktak interpretou bacantes trazendo minha pintura da clássica cena mitológica em que o rei Penteu é dominado pela fúria das sacerdotisas de Dionísio (Baco). 

Assista ao vídeo onde bacantes da Cia. Patoktak intervém sobre Henrique Vieira Filho, no papel de Penteu:

Assim é o turismo cultural: eventos que criam experiências e memórias inesquecíveis aos participantes e faz girar até mesmo a economia popular, com oportunidades para recepcionistas, garçons, cozinheiros, motoristas, hospedagens, etc.

Por tudo isso, deixo o convite para prestigiarem os empreendedores da nossa região: Cabernet Literário – dia 18/11, em Serra Negra / SP – reserve com antecedência – (19) 99720-5991

https://www.cabernetliterario.com.br/

Quem Te Viu, Quem TV

“São Paulo Gustavo - Protetor Dos Cineastas” - Ilustração: Henrique Vieira Filho

Neste seu artigo para o Jornal O Serrano, Henrique Vieira Filho nos fala sobre a importância do audiovisual, conta de suas experiências televisivas e brinca com o ator Paulo Gustavo sendo o santo padroeiro dos cineastas.

Publicado resumido no Jornal O SERRANO, Nº 6378, de 27/10//2023

“São Paulo Gustavo - Protetor Dos Cineastas” - Ilustração: Henrique Vieira Filho
“São Paulo Gustavo – Protetor Dos Cineastas” – Ilustração: Henrique Vieira Filho

Hoje, 27 de outubro, celebramos o Dia Mundial do Patrimônio Audiovisual!

A união de som, imagem e movimento gera um dos instrumentos mais atrativos e completos para divertir (filmes, séries), transmitir conhecimento (video-aulas) e registrar fatos, história e cultura, disseminando a informação para a sociedade e preservando para futuras gerações (documentários). 

Com a tecnologia cada vez mais acessível, boa parte da população se tornou “cineasta de rede social”, pois, com um celular, acesso à internet e criatividade, seu vídeo pode alcançar o mundo!

No cenário profissional ainda há inúmeros idealistas, que mesmo sem verba (não raro, colocam dinheiro do próprio bolso), se propõem a realizar documentários, curtas metragens e até filmes.

Claro que se tivessem um patrocínio, fariam muito mais e melhor, por isso, todos sonhamos com aprovação em editais públicos, como os promovidos pela Lei Paulo Gustavo. 

E, antes que alguém imagine um orçamento “hollywoodiano”, se fosse distribuído igualmente entre todos os concorrentes, mal daria para tomar um café.

A verba que o governo federal irá disponibilizar para cada cidade do Circuito Das Águas não cobriria sequer a produção de um único capítulo de novela televisiva! Sei bem dos custos, pois já tive quadro semanal fixo na TV Mulher.

Em minha experiência audiovisual, já fiquei de frente com Gabi (Marília Gabriela), levei um beijo do Gordo (Jô Soares), passei tardes com Claudete Troiano (Gazeta), festejei e bailei com Agnaldo Rayol (TV Cultura) e até consegui pontos extras para o Gugu junto ao Ibope: a entrevista prevista para durar 10 minutos se transformou em 40, pois os gráficos de audiência continuavam subindo.

E se for para enfeitar ainda mais o currículo, posso afirmar que já fui campeão de audiência, com 100% dos espectadores: discursei em rede nacional de rádio e televisão, em prol de boas causas.

Depois de tantas aventuras televisivas, apelo ao fato que também sou filho de dona Hermínia (pior que é verdade!) e rezo a “São Paulo Gustavo” que conceda a graça de uma singela verba aos documentaristas serranos (me incluo nesta).

“Quem te viu, quem TV”,  senhor Henrique…

Citation

Vieira Filho, H. (2023). Quem Te Viu, Quem TV. Jornal O Serrano, CXV(6378). https://doi.org/10.5281/zenodo.10035119

Semeando Filhos, Livros e Árvores

Livros, Árvores E Filhos - Arte: Henrique Vieira Filho
Livros, Árvores E Filhos – Arte: Henrique Vieira Filho

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.10031359

Neste artigo para o Jornal O SERRANO, Henrique Vieira Filho parte do fato que recém tivemos os dias da criança, do professor, do livro e da árvore, escrevo sobre a famosa lista do poeta cubano José Martí, que afirma que todos nós devemos plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro e, assim, eternizar nossa passagem pela vida.

Publicado resumido no Jornal O SERRANO, Nº 6327, de 21/10/2022

Você, que acompanha meus artigos, já notou que gosto de ter datas comemorativas como ponto de partida narrativa.

Em um curto intervalo de tempo, temos os dias nacionais da árvore, das crianças, do professor e do livro.

Faz cerca de 30 anos que nasceram minha primeira filha e meu primeiro livro, este sobre um tema do qual continuo professor.

Nem lembro quando plantei a primeira árvore, nem de quantas ao longo da vida, mas, suponho que muitas tiveram que ser sacrificadas para que meus livros fossem impressos.

Por sua vez, ensinar e escrever roubam boa parte do tempo de convivência com os filhos.

Não é nada simples conciliar os itens da famosa lista do poeta cubano José Martí, que afirma que todos nós devemos plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro e, assim, eternizar nossa passagem pela vida.

Textos, crianças e plantas, todos nascem de uma singela semente, de onde germinam ideias, vidas e emoções sem fim. 

Demandam muitos cuidados e dedicação; uns mais, outros menos e de diferentes formas.

Sem árvores não podem existir nem livros, nem filhos, nem genitores, nem professores, por isso, semear é fundamental! E nem precisam de tantos cuidados, já que a mãe natureza é quem se encarrega da criação.

Parir um livro é muito mais simples do que a um filho. O primeiro já nasce adulto e retribui com renda e prestígio, o segundo, para os pais, será sempre criança (por mais que cresça…), mas tem uma capacidade que nenhum livro tem: a de te amar de volta!

Dos filhos e livros somos tanto professores, quanto alunos, enquanto as árvores já nascem sabendo tudo e só tem a nos ensinar. 

Como pai de mais de vinte filhas e alguns livros (ops, é ao contrário!) e de um sem número de plantas, já poderia estar feliz e satisfeito. Porém, uma coisa ainda me frustra: nem minhas crianças, nem minhas plantas leram nada do que eu já escrevi!

Affordable Art Fair

Artes de Henrique Vieira Filho - Fevereiro de 2017 - Bruxelas - Bélgica

Artes de Henrique Vieira Filho – Fevereiro de 2017 – Bruxelas – Bélgica

Para essa temporada de exposições, farão parte do acervo a  Coleção “Afrodites” que homenageia o feminino, em todas a sua diversidade, tendo como elo de ligação, em cada pintura, a pose da deusa em “O Nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli. 

Bruxelas 2017 – Affordable Art Fair – 26 a 29 de Fevereiro/2017

Exposição: “Arte Em Tempo Real”

Modelos e as telas de Henrique Vieira Filho originadas a partir da pintura corporal

Henrique Vieira Filho realiza pintura corporal ao vivo na Art Lab Gallery – dezembro de 2016, São Paulo, SP, Brasil

Art Lab Gallery – dezembro de 2016, São Paulo, SP, Brasil

Henrique Vieira Filho realiza pintura corporal ao vivo
Arte Em Tempo Real – Henrique Vieira Filho – Making Of
Arte Em Tempo Real – Henrique Vieira Filho – Making Of

Álbum de totos

Modelos e as telas de Henrique Vieira Filho originadas a partir da pintura corporal